8 de Março: Mulheres cearenses vão às ruas gritar “Bolsonaro nunca mais!”

238

Na próxima terça-feira (8/03), Dia Internacional de Luta das Mulheres, as brasileiras vão às ruas de centenas de cidades do País para pedir o fim da violência de gênero, do machismo, do racismo e da fome. Ocupando também as redes, os movimentos organizados de mulheres do campo e da cidade, sindicatos, centrais sindicai e partidos políticos levantam a bandeira “Pela vida das Mulheres, Bolsonaro Nunca Mais!”.

No Ceará, atos, atividades político-culturais e debates acontecerão em todas as regiões não apenas no dia 8. A programação pelo Estado prossegue até o dia 14 de março, data que marca os quatro anos do assassinato da vereadora Marielle Franco. Além disso, campanhas de solidariedade estão sendo realizadas em Fortaleza e no Cariri.

Na Capital cearense, um ato acontecerá na própria terça-feira, a partir de 13h, na Praça do Ferreira. No mesmo local, das 14h às 15h, acontece o debate “Pela vida das mulheres contra o machismo, o racismo e a fome”. As debatedoras são: Mariana Lacerda, da Marcha Mundial das Mulheres (MMM); Zuleide Queiroz, do ANDES e Resistência Feminista; e Andréia Castro, do Movimento das Trabalhadoras sem Terra (MST/CE). A mediação ficará a cargo de Taís Matos, do Movimento de Médicas e Médicos Populares.

A programação na praça considerada o coração da cidade prossegue com uma Feira Feminista Solidária e Circular, das 13h às 18h, e a realização do cortejo “Mulheres do fim do mundo – nós não vamos sucumbir”, a partir das 15h. O trajeto não será divulgado por questão de segurança. Encerrando as atividades na Capital haverá um ato cultural em homenagem à cantora Elza Soares, que partiu esse ano.

Elza Soares simboliza a luta pelo fim da violência contra as mulheres e, sobretudo, pela valorização das mulheres negras e periféricas. A cantora, que iniciou sua carreira em um show de calouros, já se intitulava “eu vim do planeta fome”, essa mazela social que voltou a assolar 19 milhões de pessoas no país, fruto do desgoverno Bolsonaro, com sua política ultraliberal.

Prioridade é dar um basta ao bolsonarismo

Numa extensa pauta de reivindicações, as mulheres afirmam que vão priorizar a luta pela derrubada do presidente Jair Bolsonaro (PL) do poder porque essa é uma luta necessariamente feminista, anti-imperialista, anticapitalista, democrática, antirracista e antiLGBTQIAfóbica. De acordo com Maria de Fátima, a Mariinha, secretária da Mulher Trabalhadora da CUT Ceará, essa é a única saída para resolver a crise política, econômica e social no Brasil. Fatores que afetam ainda mais as mulheres.

 

Campanhas de solidariedade

Os movimentos organizados também estão construindo uma ação de solidariedade em prol das mulheres em situação de vulnerabilidade nesse 8 de Março. As pessoas podem ajudar, doando itens de higiene pessoal ou valores em dinheiro para a compra e montagem dos kits de autocuidado. Os itens para doação são: absorvente, álcool 70%, máscara modelo pff2, creme dental e escova de dente.

Em Fortaleza, os locais para o recebimento de doações são: ADUFC (Avenida da Universidade, 2346, Benfica), UNE (Rua Senador Pompeu, 2379, José Bonifácio) e MST (Rua Paulo Firmeza, 445, São João do Tauape). Quem preferir, pode doar qualquer quantia, por meio do PIX: mulherespelavidace@gmail.com. A conta está no nome da companheira Monalisa dos Santos Nascimento.

No Cariri, a campanha é “Quem tem fome, tem pressa!” e está recebendo alimentos não perecíveis que serão destinados a mulheres de baixa renda, desempregadas, grávidas e mães solo da região do Crajubar. Doações também podem ser feitas pelo PIX 88999633495 (celular de Ana Verônica Barbosa Isidorio) ou Conta Poupança Bradesco: N°: 1001746-7, Agência: 771.

 

Fonte: CUT-CE/Samira de Castro

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here