Quatro deputados federais decidem não enviar verbas de emendas de bancada ao Governo do Estado

83


Dos 25 parlamentares do Ceará no Congresso Nacional, quatro não destinaram emendas da bancada de 2021 – recursos que deputados e senadores têm direito de indicar no Orçamento Federal – para o Governo do Estado. O montante reservado à bancada federal cearense, neste ano, é de cerca de R$ 240 milhões e, como tem sido tradição, o governador Camilo Santana (PT) pediu metade da verba para atender a demandas do Estado –  desta vez, para a construção do Hospital Universitário na Universidade Estadual do Ceará (Uece). 


 


Termina, nesta segunda-feira (1º), o prazo para os parlamentares apresentarem as áreas nas quais serão aplicadas as emendas ao Orçamento Federal de 2021, que ainda será votado pelo Congresso Nacional. A bancada cearense já enviou o destino das suas verbas desde a semana passada, mas essa definição foi recheada de divergências, principalmente por parte de deputados de oposição ao governador e também por aliados, que cobraram diálogo com Camilo dias antes da reunião da bancada, na última semana. 


 


O montante das emendas de bancada foi dividido entre os 25 parlamentares da bancada cearense (22 deputados federais e três senadores), o que dá R$ 9,6 milhões para cada um. O acordo que tentou ser negociado pelo coordenador da bancada cearense, deputado Genecias Noronha (SD), para atender à solicitação do governador, é que cada parlamentar destinasse metade da sua emenda – R$ R$ 4,8 milhões – para o Governo do Estado. A outra metade seria distribuída de acordo com o critério que cada um adotasse. Em geral, os recursos vão para os municípios que são bases eleitorais dos congressistas. 


 


Dos 25 parlamentares do Ceará, a maioria destinou metade das suas emendas de bancada para o Governo do Estado, totalizando R$ 112,8 milhões. Alguns, inclusive, mandaram o total de R$ 9,6 milhões das suas emendas, como os deputados federais Idilvan Alencar (PDT) e José Guimarães (PT) e o senador Tasso Jereissati (PSDB). O senador Cid Gomes (PDT), um dos principais aliados de Camilo, enviou R$ 7,6 milhões para o Governo estadual. O pagamento das emendas ao Estado deverá ser feito ao longo do ano.


 


 


Fonte: Diário do Nordeste