Mais de mil agricultores e agricultoras familiares participam da Marcha Lula Livre e vibram com o registro da candidatura de Lula à Presidência

7



 


Mais de mil trabalhadores e trabalhadoras rurais agricultores e agricultoras familiares se uniram à multidão que marchou hoje (15) em Brasília para defender o direito de Luís Inácio Lula da Silva a ser candidato à Presidência da República. O MSTTR demonstrou seu apoio ao projeto político que Lula representa – inclusivo, igualitário, justo e democrático – e também a um processo jurídico que respeite todos os direitos garantidos na Constituição Federal, uma vez que Lula foi preso sem qualquer prova contra ele.


 


O ato realizado hoje trouxe para Brasília mais de dez mil pessoas integrantes de diversos movimentos sociais campesinos e de trabalhadores de todas as categorias, que marcharam de todos os estados brasileiros até o Tribunal Superior Eleitoral, onde foi concretizado o registro da candidatura de Lula, como anunciado pela presidenta do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffman. Para o presidente da CONTAG, Aristides Santos, trata-se de um momento inédito na história do País ter um candidato que foi preso para ser impedido de participar das eleições, pois já tem o voto da maior parte dos eleitores(as). “A presença da CONTAG aqui é parte de sua posição de que Lula é um preso político, e nós sempre defendemos seu direito a se candidatar. E afirmamos ainda que não adianta prender Lula, porque suas ideias e sua ideologia estão no povo e nós vamos levar a luta adiante”, afirma o presidente da CONTAG, Aristides Santos.


 


Foi um ato histórico, cheio de esperança e com a vibração que a militância carrega consigo em todos os momentos. Mulheres, crianças, jovens, pessoas da terceira idade e da comunidade LGBTS estavam presentes para demonstrar a diversidade da esperança do povo na capacidade de Lula de retomar o desenvolvimento brasileiro e distribuir os frutos entre toda nossa sociedade, especialmente os mais pobres e excluídos.


 


Os educandos e educandas da 7ª Turma do Curso nacional de Formação da Enfoc participaram do ato, como parte de um processo de leitura da realidade que passa pela prática da luta por uma realidade diferente. A maior parte da turma é composta por jovens trabalhadores(as) rurais, entre eles a secretária de Jovens da CONTAG, Mônica Bufon. “Com o golpe de 2016 a juventude brasileira, especialmente a rural, sofre com os cortes debilitantes das políticas públicas voltadas para nós. Por isso a juventude está presente neste ato por entender que precisamos fortalecer a luta por esse projeto que garante a nós jovens do campo, floresta e águas o direito a uma vida digna”, afirma a dirigente.


 


Para o secretário de Organização e Formação Sindical da CONTAG, Guto Silva, mais uma vez a Enfoc demonstra sua preocução em fazer formação discutindo a teoria e a prática da luta, participando ativamente de uma mobilização histórica. “Isso faz parte do processo metodológico de nossa escola, que sabe que a formação é fundamental para a construção de uma sociedade mais consciente de seus direitos e deveres”, afirma Guto.


 


O secretário de Política Agrária da CONTAG, Elias Borges, acredita que a forte participação dos trabalhadores e trabalhadoras rurais demonstra a esperança em um projeto político que retome o Ministério do Desenvolvimento Agrário e todas as políticas voltadas para acampamentos e assentamentos da Reforma Agrária. “O Brasil precisa de uma redistribuição justa das terras improdutivas, para que seja garantida a segurança e soberania alimentar de nosso País, além da garantia de renda e de condições de vida para milhões de brasileiros. Estar aqui significa lutar por isso”, afirma Elias Borges.


 


A manifestação terminou pacificamente às 18h30, quando os milhares de manifestantes iniciaram a jornada de volta a seus municípios e comunidades. O agitado mar vermelho que tomou conta dos gramados em frente do TSE volta a espalhar a esperança por todo o Brasil, para provar nas urnas que é possível fazer deste um País de todos e todas nós.


 


 


 


FONTE: Assessoria de comunicação CONTAG – Lívia Barreto