Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa

8



 


No Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, celebrado em 15 de junho, a FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES RURAIS AGRICULTORES E AGRICULTORAS FAMILIARES DO ESTADO DO CEARÁ – FETRAECE, alerta sobre o aumento da violação dos direitos dos idosos e idosas do campo durante a pandemia do novo coronavírus. Os tipos de violências mais comuns são: a física, psicológica, financeira, a negligência e o abandono.


 


No Brasil, 53% dos idosos/as são responsáveis por mais da metade da renda familiar. Idosos/as não são inoperantes, não são ociosos/as e na região Nordeste esse percentual chega a 63,5%. Portanto investir no envelhecimento saudável e na positividade da contribuição da pessoa idosa, considerando-os (as) como atores sociais de transformação, reconhecer e apoiar o papel da família nas diretrizes das políticas sociais, tornar os espaços públicos e habitações mais amigáveis, visto que os/as idosos/as precisam da convivência social. São ações de responsabilidade da família, da sociedade e do estado. 


 


O principal objetivo desta celebração é criar uma consciência mundial, social e política, da existência da violência contra a pessoa idosa. De acordo com o Conselho Nacional dos Direitos do Idoso, a celebração desta data deve-se relacionar à apresentação, ao debate e ao fortalecimento das mais diversas formas de prevenção contra a violência.


 


No Brasil, o Estatuto do Idoso (Lei 10.741, de 2003) considera violência contra o/a idoso/a qualquer ação ou omissão que lhe cause morte, dano ou sofrimento físico ou psicológico.


 


Levantamentos realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontam que os idosos devem representar 25,5% da população brasileira até 2060.  Hoje, o Brasil tem mais de 30 milhões de idosos/as.


 


As denúncias de violência contra a pessoa idosa devem ser feitas pelo disque 100. Com o advento da pandemia do COVID-19, o principal motivo dos problemas é justamente o isolamento social, onde o agressor, na maioria das vezes, é morador da mesma residência que a pessoa idosa.


 


Os tipos de violências mais denunciados no Brasil: a negligência (41%), violência psicológica (24%) como humilhação, hostilização e xingamentos, violência financeira (20%) que envolve, por exemplo, retenção de salário e destruição de bens e a violência física (12%). 


 


As pessoas idosas da zona rural são mais vulneráveis a estes tipos de violência por conviverem com realidade de menor proteção e visibilidade de seus estados de vida. 


 


Secretaria de Políticas Sociais da FETRAECE