CPLP discute estratégias para a Década da Agricultura Familiar

4


 


O futuro da agricultura familiar está sendo discutido pelos países que falam a Língua Portuguesa. A Reunião de Alto Nível da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi iniciada nesta terça-feira(06), em Lisboa, Portugal, e reúne os ministros da Agricultura e de outras pastas dos nove países-membros e tem como tema central a Agricultura Familiar.


 


Na pauta estão os debates de estratégias de fortalecimento da agricultura familiar, sobre a possibilidade real de aplicação das diretrizes para o setor aprovadas no ano passado no âmbito da CPLP, a criação de Conselho de Segurança Alimentar em todos os países-membros, discutir marcos regulatórios para a agricultura familiar, bem como o enquadramento e o cadastramento da agricultura familiar. 


 


A CPLP é um espaço que reúne representação dos governos, do setor privado, das universidades e da sociedade civil através do Mecanismo da Sociedade Civil (MSC). Dentro do Mecanismo da Sociedade Civil também existe a Plataforma Camponesa, composta pelas organizações da agricultura familiar dos nove países-membros da CPLP.


 


A CONTAG está sendo representada pelo vice-presidente e secretário de Relações Internacionais da CONTAG, Alberto Broch, que também representa a COPROFAM nesta agenda. Pela sociedade civil brasileira, participam apenas o dirigente da CONTAG e a representante do Fórum Brasileiro de Segurança Alimentar, Maria Emília Pacheco, que já foi presidenta do Consea do Brasil. Já a participação do governo brasileiro é bastante significativa, com representantes do MDS e da SEAD, por exemplo.


 


Segundo Alberto Broch, essa reunião da CPLP ganhou grandes proporções a partir da aprovação em dezembro de 2017 da Década da Agricultura Familiar. Para aprofundar essa discussão junto ao CPLP, esteve presente na reunião da sociedade civil nesta segunda (05) e na abertura da reunião oficial hoje (06) o diretor-geral da FAO, José Graziano. O representante do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) também esteve nos dois momentos. Broch também destaca a presença das maiores redes mundiais de representação da agricultura familiar: a COPROFAM da América do Sul, o ROPPA da África do Oeste, o PROPAC da África Central, a AFA da Ásia e o Fórum Rural Mundial que coordena a campanha da Década da Agricultura Familiar no âmbito da sociedade civil. Como a Costa Rica liderou na ONU os países para a discussão da Década da Agricultura Familiar, a reunião também contou com um painel com o embaixador deste país, Marco Vinicio Vargas Pereira.


 


“Esta reunião de Alto Nível da CPLP tomou uma dimensão muito grande e muito importante. Fizemos várias intervenções e uma apresentação da CONTAG e da COPROFAM sobre as políticas de desenvolvimento que nós defendemos. E o resultado dessa reunião de Alto Nível será amanhã, quando será aprovada da Declaração de Lisboa – que é declaração da agricultura familiar dos países da CPLP. Sem dúvida alguma a CONTAG está presente com muita força, debatendo o futuro da agricultura familiar, a necessidade de políticas públicas, a necessidade de comprometer o mundo se quisermos acabar, de fato, com a fome e a miséria no mundo”, avalia Alberto Broch.


 


 


FONTE: Assessoria de Comunicação CONTAG – Verônica Tozzi