Chuvas na Capital e RMF estão 31,7% acima da média, mas CE segue abaixo da série histórica

4


 


As chuvas que atingem o litoral de Fortaleza neste mês têm ficado acima da média histórica dos últimos 30 anos, segundo dados preliminares da Fundação Cearense Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), disponíveis no site do órgão. Até o momento, a Capital cearense e sua Região Metropolitana registraram 128.0 mm em janeiro, um resultado 31,7% superior à média de 97.2 mm para o período. Como as informações são prévias, os valores podem variar até o fim do mês, mas já mostram um balanço positivo para a região neste início de ano.


 


Apesar do bom resultado das chuvas na Capital e RMF, a situação do Ceará ainda está longe de ser tranquila. Isso porque, segundo a Funceme, apenas duas das oito macrorregiões do Estado estão com resultados positivos neste mês, tendo em vista que, além do litoral de Fortaleza, somente o Maciço de Baturité, com 118.6 mm registrados em janeiro, apresentou precipitações acima da média histórica (variação de 23,7%). Em todas as outras regiões, informa a Fundação, as chuvas de janeiro seguem abaixo da média.  


 


“É normal existir uma concentração de chuvas em algumas áreas do Estado, principalmente em janeiro, que é apenas o período de pré-estação. A tendência é que esta irregularidade comece a ser reduzida a partir de fevereiro, quando de fato começa a quadra chuvosa do Ceará”, informou  o supervisor da Unidade de Tempo e Clima da Funceme, Raul Fritz.


 


Até o momento, a média mensal de chuvas no Estado é de 78.5 mm, um resultado 20,5% abaixo da média histórica para o período, que é de 98.7 mm. “Na primeira quinzena do ano, tivemos chuvas menos frequentes, o que prejudicou esses resultados. Como nos últimos dias tivemos precipitações mais elevadas e esses dados ainda não foram computados, é possível que, no fechamento do mês, a média do Ceará seja mais positiva”, ressalta Fritz. 


 


Dentre as macrorregiões que ainda estão com chuvas aquém do esperado, a situação mais crítica é do Cariri e Sertão Central e Inhamuns, que estão com resultados, respectivamente, 24,8% e 24,7% inferiores à média histórica. Outras variações negativas são registradas em: Litoral Norte (-20,9%), Jaguaribana (-20,8%), Ibiapaba (-17,9%) e Litoral do Pecém (-16,2%).


 


 


Fonte: Diário do Nordeste