Ação conjunta beneficia mulheres trabalhadoras rurais no Sertão Central e no Centro-Sul

17


Um trabalho conjunto entre Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares no Estado do Ceará (Fetraece); Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA); Ministério do Trabalho; Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), CEPAM e Governo do Estado do Ceará, vai beneficiar milhares de mulheres trabalhadoras rurais nas regiões do Sertão Central e Centro-Sul do Ceará. Ao todo, seis municípios serão atendidos com palestras sobre violência contra mulher e em cinco deles terão retirada de documentos. A ação será entre os dias 20 e 30 deste mês de novembro.


A comitiva formada pelas entidades relatadas saiu de Fortaleza nesta quarta-feira, 19, seguindo para Pedra Branca, onde vai realizar atendimentos nos dias 20 e 21. No sábado, 22, será a vez da cidade de Banabuiú. Na segunda-feira, 24, e terça, 25, o mutirão beneficia trabalhadoras de Senador Pompeu. Nos dias 26 e 27 será em Milhã, enquanto em Deputado Irapuan Pinheiro vai ocorrer nos dias 28 e 29. No dia 30, em Iguatu, terá o encerramento dos 25 dias (contando as mobilizações nos sindicatos) de ativismo pelo fim da violência contra a mulher, na ocasião, haverá o lançamento da Marcha das Margaridas na Regional da Fetraece.


Dois ônibus seguiram para os municípios, em um, as pessoas poderão realizar a retirada de documentos por meio do Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural (só não terá em Iguatu), enquanto no outro, unidade móvel de cor lilás, serão realizadas palestras para as mulheres sobre enfrentamento à violência e a lei Maria da Penha.


“As duas ações possibilitam levarmos as políticas públicas até as mulheres no interior. Também permitem visibilidade para nossas conquistas, já que tanto a unidade móvel de enfrentamento à violência, quanto o Programa Nacional de Documentação, foram vitórias do movimento sindical durante as Marchas das Margaridas”, destaca a secretária de Mulheres da Fetraece, Rosangela Moura.


Apesar de o público alvo ser as mulheres, a retirada de documentação pode atender qualquer pessoa, independente da idade ou sexo.


 


Assessoria de Comunicação da Fetraece – Janes P. Souza